Skip to content

“A Ascensão”, de Larisa Shepitko. [download: filme]

VoskhozhdeniyeDois guerrilheiros russos saem em busca de comida para seu grupo da resistência contra os nazistas, mas ao chegar no local onde desejariam obter comida descobrem que tudo foi destruído pelos invasores alemães. Sem querer voltar de mãos vazias, os dois resolvem se arriscar em território ocupado pelos alemães em busca de mantimentos.
Esse filme, que não tem cópia em DVD e, eu imagino, possivelmente nem em VHS, é o tipo de coisa que só se vê por culpa e graça da existência da internet e por conta de um filantropo digital, que decidiu lançar na rede a gravação captada de uma TV européia. Não fosse isto o filme soviético de 1976, que tematiza sobre a luta contra a invasão alemã em meio ao inverno russo, não estaria disponível à qualquer criatura com uma banda larga mediana.
O impacto do filme de Larisa Shepitko já não é coisa que se obtém hoje em dia da forma como ela o fez. Enquanto grande parte dos filmes da atualidade, que retratam mazelas de guerra, só conseguem se ocupar do tema aliados à orçamentos astronômicos e ambições galácticas, a diretora russa – como muitos dos seus conterrâneos – o fez utilizando-se apenas do esforço de sua equipe e de idéias simples e diretas. O produto final desta equação é bem diverso daquele obtido com todo o conforto e apoio de um bom punhado de cifras: seu realismo não é obra de um detalhismo gráfico, quase perverso no modo como expõem mutilações e carnificinas, neste longa ele é obtido pela crueza da situação, pela utilização dos mecanismos mais naturais e pela sujeição dos atores e das filmagem à eles; a sua força não vem de um clímax pomposo, cuja redenção ou superação é uma dúvida ilusória e a punição aos malfeitores certa, mas do seu caráter hiper-realista, que não se propõe em momento algum a ter pena do público nem de seus protagonistas, jogando ambos a mercê de um destino onde a esperança não (sobre)vive. Ainda assim, mesmo dispondo de não muitos recursos e lidando com um argumento simples, a diretora consegue trabalhar com a estética – compondo sequências poéticas, de beleza plástica e teor emocional intensos como se observa nos momentos de agonia sublimada de Sotnikov ou na estupefação dos personagens, refletindo sobre a miséria de suas vidas e a infelicidade de seus destinos, frente a vastidão branca do inverno russo que trafega ao seu redor – e explorar a fundo a complexidade do comportamento humano diante de situações limite, revelando através de seus erros, de seus atos, de seus receios e medos, o perdão, a redenção e o terror da morte, esta última capaz de desvendar, ao mesmo tempo, a bravura de alguns em enfrentá-la com honradez e a submissão humilhante de outros, que jogam na neve ideais que defendiam tão prontamente para evitá-la a todo custo. A sequência final tem a pungência extrema do melhor cinema russo: dentro de um quartel nazista e diante de um portão esperançosamente aberto, um homem percebe que mesmo que conseguisse passar por ele, seu caminho seria marcado por uma prisão existencial cujas paredes seriam formadas pela traição e pela negação de seus ideais e de sua própria identidade – apesar de ter ficado com sua vida, ele estava só, e a liberdade, ela jamais seria possível.
Baixe o filme utilizando os links a seguir.

http://rapidshare.com/files/24456967/ascent.part1.rar.html
http://rapidshare.com/files/24574907/ascent.part2.rar.html
http://rapidshare.com/files/24608489/ascent.part3.rar.html
http://rapidshare.com/files/24626386/ascent.part4.rar.html
http://rapidshare.com/files/24721081/ascent.part5.rar.html
http://rapidshare.com/files/24705979/ascent.part6.rar.html
http://rapidshare.com/files/24517558/ascent.part7.rar.html
http://rapidshare.com/files/24457934/ascent.part8.rar.html

legendas (português):
http://rapidshare.com/files/70249666/the_ascent_legenda_pt_br.rar

6 Comments

  1. O correto é como no título do filme – a confusão nao ocorreu no texto, mas no sistema de “tags” da postagem, cujo plugin tem a tecnologia de sugerir um termo enquanto ele está sendo digitado. Por conta disso, às vezes a substituição de termo acontece durante a digitação do mesmo, sem que seja percebida – que foi exatamente o que aconteceu.
    A tag foi corrigida.

  2. Olha só, agora eu consegui comentar. Acho q o problema inicial era comigo mesmo 🙂 . Brigado pelo comentário na minha página (mais uma vez). Tenho que te parabenizar tbém pelo post sobre o Keane, adoro a banda, e o show que eles fizeram em Abril foi um dos melhores que eu já vi, a energia do vocalista foi a melhor parte. Ah, uma dica, não sei se vc gosta do Maroon 5, mas o novo álbum da banda ficou ótimo. A faixa Won’t Go Home Without You é linda, e me lembrou bastante o Keane. Lógico que mais pop, mas desde quando isso é crime, né? Bjos, e continue com o excelente trabalho! E chega q isso aqui já virou um post, em vez de comentário, hehehehehe…

  3. Gus Gus

    Baixei e vi o filme. Muito bom. Aquela neve que cobre tudo e todos, que venceu Napoleão e Von Paulus…

    Obrigado!

    Um abraço!

  4. marcelo marcelo

    Parabéns pelo site e pelos filmes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *