Pular para o conteúdo

seteventos Posts

The Boy / Outubro 2005: todo Rafael Franskowiak [fotos]

O modelo do mês de outubro a posar para o The Boy, do portal Terra, é Rafael Franskowiak. Por ser um moreno, deveria ser meu fetiche. E ele é muito bonito mesmo, mas é daqueles raros morenos que não me acende tanto o fogo assim. Faltou tempero ali. Um saleiro ia bem. Apesar disso, ele apresenta a qualidade que a maioria dos modelos do The Boy que posam para as câmeras do fotógrafo Cristiano Madureira apresenta. Aproveite!

Clique neste link para conferir o ensaio.

Deixe um comentário

“Os Edukadores”, de Hans Weingartner.

Die Fetten Jahre Sind Vorbei, de Hans Weingartner

Die Fetten Jahre Sind Vorbei, de Hans WeingartnerTudo o que parte de princípios político-ideológicos, engajamento, não é exatamente o que me apetece. No entanto, apesar de que o mote da sua estória seja justamente este, o filme alemão Os Edukadores me cativou. Parece que com o recente Adeus Lênin! (que é um bom filme, mas não chega a ser a obra-prima que foi pintada no comentário de muitos), o cinema alemão começou a contar com cineastas bastante inventivos e muito promissores. Tomara que continue assim.
No filme, Jan e Pete são os Edukadores, ativistas políticos que entram na residência das famílias das classes mais bastadas da Alemanha, quando ninguém se encontra em casa, e saem sem levar sequer um copo. Seu intuito é causar desconforto, quando não temor, através de sua técnica de atuação: uma vez dentro da residência, eles rearranjam (ou melhor, bagunçam) toda a mobília, deixando apenas um bilhete com os dizeres “seus dias de fartura estão contados” ou “você tem dinheiro demais”. Tudo corre muito bem até que a namorada de Pete, devido aos seus problemas financeiros, vai morar com os dois amigos. A partir daí o relacionamento dos três muda de figura e tudo, inclusive o ativismo político, começa a se desestabilizar, para o bem ou para o mau.
Apesar de trazer personagens altamente engajados e cheios de ideologismo (independente de que engajamento e ideologismo estamos falando), o filme me agradou muito por ter sido muito bem realizado, dirigido, contar com elenco que tem ótimo desempenho (Daniel Brühl, o jovem que é a grande revelação de Adeus Lênin!, e possivelmente atual fetiche do cinema alemão, está aqui) e, principalmente, um roteiro que não resvala nos convencionalismos, soluções fáceis e inverossimilhanças que infesta a maior parte dos filmes atualmente, particularmente o cinema americano. a personalidade e comportamento dos personagens sofrem sim com os rumos de seus atos, mas na conclusão da estória você se dá conta de que na verdade não há mudança, e sim uma evolução, uma reafirmação do caráter dos personagens. Belo filme, que surpreende até um sujeito irritado com a banalização político-ideológica como eu. Recomendadíssimo!

Deixe um comentário

The Cardigans – First Band on the Moon. [download: mp3]

The Cardigans - First Band On The Moon

The Cardigans - First Band On The MoonNo dia 14 de Outubro a banda européia The Cardigans vai lançar seu novo álbum, Super Extra Gravity, que sucede o surpreendentemente acústico Long Gone Before Daylight. E apesar de não ser o meu preferido, o disco First Band on the Moon é muito gostoso de ouvir. É difícil ficar impassivelmente imóvel ao ouvir canções como “Been it” e “Lovefool” . O disco ainda preserva traços do clima retrô-anos-60 de Life, mas já pisa nos anos 90 com vontade. Neste álbum a banda continua demonstrando que não tem medo de ser assumidamente pop, e faz um pop-rock de categoria e qualidade com boas doses de inovação. É justamente essa inovação, e a inquietação da banda com a sua trajetória musical (a banda já declarou que não gosta de fazer mais de um disco com a mesma sonoridade), que fazem do The Cardigans a banda pop mais importante do mundo da música. Segue, abaixo, os links para download das canções em formato mp3 do disco First Band on the Moon.

1. Your new cuckoo
2. Been it
3. Heartbreaker
4. Happy Meal II
5. Never Recover
6. Step on me
7. Lovefool
8. Losers
9. Iron Man
10. Great divide
11. Choke

Deixe um comentário

The Boy / Setembro 2005: todo Matheus Verdelho.

Promessa é dívida! Trago no post de Matheus Verdelho para o The Boy que compõe a seção de fotos só para usuários do portal Terra. Ele realmente sabe ser sexy e gostoso. O “ziriguidum” dele, digamos assim, é realmente bonito e volumoso. E como eu disse no post anterior ele tem uma cara de safado, de homem vagabundo, que não dá pra passar batido! Já entrou para a categoria “Delícia Cremosa”!

Clique neste link para conferir o ensaio.

Deixe um comentário

The Boy / Setembro 2005: Matheus Verdelho [fotos]

O novo modelo do site The Boy do portal Terra ainda não foi anunciado abertamente ao público e aos visitantes. No entanto, como não sou de aceitar essas coisas absurdas, e movido por um tiquinho de malícia e muita tara, achei o link que leva a seção do “boy” deste mês. O modelo em questão, Matheus Verdelho, tem um sobrenome estranho, que lembra fedelho (o que tem a ver com ele, já que ele tem mesmo cara de menino. Menino safado, mas menino), e é loiro, o que não é meu forte (sabidamente os morenos). Mas esse é o tipo raro de loiro que me agrada muito, com um rostinho lindo daqueles que vocês estaca vidrado a viagem de ônibus inteira, sem se dar conta. O corpo, como de costume nos modelos do The Boy, nem precisa comentar: gostosíssimo. Faz mesmo muito o meu gosto, ao contrário do “boy” do mês anterior, do qual não virei fã. Porém, o ensaio só engata mesmo a partir da seção 3 de fotos. Não sei qual o prazer de desperdiçar duas seções de fotos inteiras com um homem lindo, mas deve ser mesmo divertidíssimo para o fotógrafo Cristiano (e apenas para ele) mandar um homem gostoso daqueles se pendurar num trapézio e ficar tentando tirar fotos irreconhecíveis do cara em movimento. De qualquer forma, espero que não tenham cometido esse crime com as fotos de membros. Se as fotos aqui expostas atiçaram o seu apetite, não deixe de averiguar o ensaio do mancebo.

Clique neste link para conferir o ensaio.

1 comentário

“Swimming Pool”, de François Ozon.

Até ver este filme não tinha qualquer contato com seu cinema. No entanto, para alguém informado e que goste realmente de cinema, não é difícil ficar sabendo da existência dele. Egocêntrico, metido, presunçoso. Não sei se tudo acaba sucedendo em um bom filme no caso dos outros filmes, mas em Swimming Poll – A beira da piscina tanta pretensão procede, assim como costuma acontecer com Lars Von Trier. O filme versa sobre Sarah Morton, uma escritora inglesa à moda de Aghata Christie, que tem uma crise criativa, pois pretende mudar o rumo de sua carreira, ao menos no que toca seu próximo livro. Sabendo disso, seu editor oferece sua casa de veraneio em uma pequena e agradabilíssima vila da França para que Sarah possa ter o relaxamento e renovação necessários para seu trabalho. Depois de pouco tempo lá, e já tendo iniciado um novo livro, ela acaba por ter que dividir a casa (e seu cotidiano), com a pouco ortodoxa e libertina filha francesa, e bastarda, de seu editor. As personalidades de ambas, como era de se prever, não tem qualquer afinidade, e está então lançado o conflito. Nada mais deve ser dito sobre o filme já que tudo são ambiguidades, e essa é a graça do filme, com um roteiro muito bem costurado. Apenas fica aqui o registro: nada é o que parece ser e tudo é o que parece ser. Ao menos, esse deve ter sido o desejo de Ozon: refletir sobre as várias leituras possíveis de uma obra artística. Visitas a foruns como os do mega portal de cinema imdb.com são divertidíssimas, tão logo se conclua a apreciação do filme.

Deixe um comentário

“11 de Setembro”, de Alain Brigand

Onze curtas de onze minutos e nove segundos. Os números aqui remetem aos acontecimentos ocorridos na New York de 11 de Setembro de 2001. Mas esta seria uma das únicas regras estabelecidas aos onze diretores convidados para colaborar cada um com um curta que integrasse ao projeto do francês Alain Brigand. Afora o fato de que a inspiração para os curtas partisse do atentado de 2001 e a duração dos mesmos foi dada total liberdade aos diretores dos mais distantes recantos do mundo. Os resultados são, geralmente, bastante interessantes e, por vezes, insatisfatórios. O diretor mais criativo foi mesmo Sean Penn, que causa espanto e risos com seu uso das sombras das torres gêmeas. As tentativas mais humanitárias foram do mexicano Iñarrítu e da indiana Mira Nair, infelizmente seus episódios suspenderam juntos, e cada um a sua maneira, uma pieguice que incomoda. O curta mais equivocado é o do egípcio Youssef Chahine: encerram-se seus onze minutos e você acaba perguntando pra si próprio se Kika foi mesmo a pior coisa que já viu. No mínimo merece estar ao lado do filme de Almodóvar. Por último, temos o curta mais sem relação com o fatídico 11 de Setembro, no qual um soldado japonês volta da guerra exibindo comportamento idêntico ao de uma cobra. O curta de Shohei Imamura só poderia mesmo ter vindo daquela parte do oriente, responsável por algumas das invenções mais idílicas do planeta. O que não necessariamente é sinônimo de qualidade…

Deixe um comentário

Maria Rita. [download: mp3]

Maria Rita (album)

Maria Rita (album)A filha de uma grande figura da música brasileira. Uma mega-campanha de lançamento. Um especial na calada da noite de um domingo. Comentários disfarçadamente sutis da boca de personalidades da TV. Um disco a preço convidativamente mais baixo do que costuma ter um lançamento. E, temos assim, automaticamente construída uma estrela da MPB, que já no primeiro disco, ora vejam, é elevada a categoria de diva. Os elogios são muitos e não cessam: ela tem um repertório de primeira; ela é uma excelente cantora; ela tem classe e tem um frescor e qualidade que há muito tempo não se vê na música brasileira…há também os elogios que derivam-se da mãe, Elis Regina: ela tem a voz da mãe; ela tem um canto emocionante como Elis; ela tem uma aura na apresentação ao vivo como Elis tinha…Bem, é esse mesmo o problema. Na verdade ela tem todas as qualidades da mãe, mas todas em muito menor grau. É o mesmo estilo, a mesma voz, o mesmo repertório estranho, os mesmos arranjos interessantes, a mesma performance no palco. Mas, se tudo é tão desmedidamente o mesmo, o que me motivaria a ouvi-la e aprecia-la? Entre o original e a cópia não faz nenhum sentido ficar com a segunda. E não há qualquer diferencial em Maria Rita, a cópia, que justifique uma celeuma tão grande. Deve-se, sim, ouvir ainda mais o original, Elis Regina. Maria Rita é boa sim, mas Elis era única e definitiva. E para os fãs que já se declararam como tal, nem bem a moça colocou seu disco no mercado, lamento muito: o primeiro disco de Maria Rita não é nada mais do que o novo disco de Elis Regina. Ainda prefiro os de catálogo.

senha: seteventos.org

http://www.badongo.com/file/4558599

Deixe um comentário

Muse – Origin of Symmetry (+ 1 faixa bônus). [download: mp3]

Muse - Origin of Symmetry

Muse - Origin of SymmetryAdoro arriscar e ouvir coisas que não conheço e que que me chamaram a atenção pelo apelo linguístico ou visual, principalmente quando não estou pagando pelo risco. No caso do Muse, tanto o nome da banda quanto a capa dos álbuns me fisgou. Resolvi baixar alguns arquivos em mp3 e gostei do que ouvi. Virei fã, não de carteirinha, mas daqueles que recomendam e passam adiante. Pelo que li na internet (muito pouco ainda, já que conheci a banda há poucos dias), há comparações entre eles e o Radiohead, por exemplo, ou mesmo Coldplay. Não posso negar algumas semelhanças, como os falsetes do vocalista, embora ele os assuma com mais vontade e sem medo. No entanto ele o faz com seriedade, sem fazer disso uma piada como no caso do The Darkness. Também como semelhanças entre as três bandas possa estar o fato de que elas produzam músicas muito boas, hits arrasa-quarteirão, mas também muita música chata. Mas com o Muse mesmo as músicas chatas são mais interessantes e audíveis do que o que o Radiohead e Coldplay produzem em seus discos, tirando os singles. O álbum de 2001, Origin of Symmetry, não foi o primeiro com o qual tive contato, mas é prazeroso de se ouvir, várias vezes, em seguida mesmo. Não deixe de escutar com atenção e espaço na sala a espetacular “Plug in Baby”.

[music]rapidshare.com/files/279570269/muse_-_symmetry.zip[/music]

[password]senha: seteventos.org[/password]

2 Comentários

Eu quero ser um náufrago! (na ilha de Matthew Fox) [fotos]

Matthew Fox - Details Magazine
Como não ser tomado por uma súbita e incontrolável vontade de estar num avião que se espatife em uma ilha perdida no meio do oceano tendo como única companhia um passageiro como Matthew Fox?!? Ai, minha santa protetora das aeronaves, me desculpe, mas tendo esse mote não há como não indicar o monumentalmente-hiper-sexy ator americano como adônis do seteventos.blog ~. Aquilo não é um homem: é uma divindade digna de adoração! Sendo assim, fica aqui uma pequena fotinho de amostra da beleza deste gajo morenão, ora pois! Gostou? Quer bem mais fotos deste monumental exemplo de masculinidade, este quarentão colossal?

Clique neste link para conferir o álbum!

Deixe um comentário