“Sonhos de metrópole” ou “Todo mundo acha essa ilha a tal”.

Sonhos de Metrópole ou Todo mundo acha essa ilha a tal“Ah, Florianópolis é um paraíso!” muitos diriam. “Tenho inveja de você, por morar aí”, todo mundo que não está aqui me diz. E o que eu, que moro nesse lugar, tenho a dizer, afinal de contas?
Realmente, a ilha é linda, cheia de praias fantásticas que eu quase não uso, repleta de homens e mulheres lindas, todos vindos de outros lugares do Brasil – e alguns de outros lugares do mundo -, consideravelmente mais segura do que as cidades que são oficialmente, por assim dizer, regiões metropolitanas.
Pronto, acabou.
No resto Florianópolis sai perdendo para todo mundo. Para mim, ao menos, ela sai perdendo em muito do que me interessa.
Vamos ao cultural primeiro.
Cinemas. Nossa, isso é uma lástima. Temos mais dois shoppings abrindo – e um deles abriu em novembro passado, anunciando que as 6 salas de cinema só estariam funcionando em março deste ano…tem coisa mais mané!?! – e um antigo tendo suas salas ampliadas. Contudo, nada disso me traz a esperança de que a oferta de filmes por aqui vai melhorar. Imagino que teremos uma variedade maior de lançamentos chegando, mas nada que fuja do padrão que já temos por aqui: produções pertencentes ao circuito comercial americano. Os dois únicos cinemas que tem a proposta de exibir filmes fora deste circuito – o do CIC, fundado há muito tempo e o Cine York, com algo em torno de 5 anos – tem seus donos aliados em uma prática que lesa de maneira degradante o público já há algum tempo: nos dias de meia entrada são exibidos filmes do circuito comercial padrão – muitos deles já exibidos nas salas dos shoppings -, restando ao público ver os filmes europeus, alternativos e de arte, que são a verdadeira razão de ser destas duas salas e que justamente são os que tem maior público nestas salas, apenas nos dias em que não há possiblidade de alguém pagar meia entrada, excetuando-se os estudantes. Isso é uma tremenda filha da putagem porque, ninguém me engana: ambas as salas recebem sim incentivos do governo, incentivos estes pagos do bolso do contribuinte. Como então eles podem se achar no direito de retirar os filmes do circuito alternativo/independente dos dias de meia-entrada, obrigando o público massivo daquelas salas a pagar a inteira para assistí-los? Isso tem nome: picaretagem.
E os festivais? Ai meu pai. Eu tive sorte de ver shows do Placebo e The Cardigans sem “sair de casa” – tenho que agradecer aos festivais Claro que é Rock e Campari Rock. Tirando isso, nada mais que realmente interesse passa por aqui. É uma tristeza ver tantas bandas e músicos interessantes fazendo shows nas grandes capitais, e nós por aqui ficamos na mão. Vocês podem até estar pensando que uma viajem resolve esse problema. Ok, resolve, mas eu estou falando sobre os pontos negativos da capital catarinense, lembram? E isso, sem dúvidas, pode ser configurado como um. Se falarmos em festivais de cinema a coisa é igualmente dramática.
E as exposições de arte, apresentações de teatro, concertos de música erudita que são realmente imperdíveis? Isabelle Huppert já esteve com um monólogo de Sarah Kane no sudeste brasileiro, assim como Peter Greenaway com sua mais famosa instalação/exposição, a Filarmônica de Berlim, as obras de Rodin, Picasso, Salvador Dalí, entre inúmeros outros. Já sofri por todos eles, mas ao saber da peça de Isabelle Huppert me senti o mais infeliz dos seres humanos tropicais.
Saindo da questão cultural também há um certo desespero. Males do exôdo de pessoas para cá causada pela burrice da mania de publicidade da prefeitura da cidade – e de muitos de seus habitantes também.
Falemos de segurança – ela já foi melhor! É bem aterrorizante ver o número de assassinatos, rixas entre traficantes, assaltos, roubos e até estupros aumentando sua incidência de forma gradual. Vocês podem até achar chato eu falar isso, mas eu sou obrigado a me revoltar contra a enorme migração de pessoas para a minha cidade. Não fosse todo mundo vir ou simplesmente anunciar querer vir para cá, algumas delas com imenso poder aquisitivo, essa corja de animais – estou falando dos criminosos – não iria ter a idéia de se instalar por aqui – que me perdoem os animais, eles não merecem comparação com essa gente degradante.
E quanto ao mercado imobiliário? Eu tive sorte de comprar, há menos de cinco anos, o meu apartamento de dois quartos, praticamente na cara do centro da cidade, por menos do que R$ 50.000. Hoje eu não pagaria por ele menos do que R$ 100.000. Desde o início deste novo século o preço dos imóveis quase triplicou, com um outro agravante: todos os imóveis atualmente planejados pelas construtoras são de alto padrão, com suítes a perder de vista, entre outros luxos. Há muito pouca coisa nova abaixo deste esquema sendo construída e, portanto, não há opções de compra – além do imóvel usado super valorizado – para quem não é um juiz aposentado cheio da grana.
Agora, por favor, parem de me dizer que é maravilhoso morar aqui. Acho que já ficou bem claro que não é bem assim. Eu não tenho mais paciência de ouvir isso só porque aqui tem praias e gente bonita. Até esses “pontos positivos” são conversa fiada: o mar está ficando poluído por conta dos balneários, o sol envelhece e dá câncer de pele, ir na praia todo dia enche o saco e, com algumas honrosas excessões, gente bonita é ao menos uma dessas coisas ou todas elas ao mesmo tempo: burra, metida, esnobe, fútil, extremamente brega e egocêntrica – já viram aquelas inúmeras comunidades de gente que se acha a tal no orkut por ser gostosa e linda? Tem algo mais desprezível do que aquilo?
Que isso sirva de aviso, heim! ;)

P.S.: E olhem, que engraçado: poucos dias antes, um outro blogueiro aqui de Floripa abordou o mesmo assunto com um texto excelente!
Vocês considerariam isso coincidência ou mais um sinal de que essa não é a ilha da fantasia?
Leiam o texto dele clicando no link abaixo:
http://web.marlonguerios.com/2007/florianopolis-paraiso/