Pular para o conteúdo

Tag: the-cranberries

The Cranberries – In The End (download: mp3)

É difícil não sentir que os versos “do you remember, remember the night, at a hotel in London”, que abrem In The End, álbum que marca o fim da banda irlandesa The Cranberries, estão de alguma forma associados, como uma espécie de presságio do acontecido, com a estúpida fatalidade que tirou a vida da vocalista Dolores O’Riordan em um hotel em Londres. Mas sabe-se que, na verdade, a impressão não passa de uma daquelas bizarras coincidências da vida, e seria tolice permitir que isso interferisse na apreciação das canções do modo como foram idealizadas por Dolores neste álbum que foi finalizado pelos membros restantes da banda (os irmãos Noel e Mike Hogan e Fergal Lawler). Assim pode-se aproveitar devidamente a melodia agitada da bateria sempre firme de Fergal e da guitarra e baixo fluídos dos irmãos Hogan em “It’s All Over Now” tanto quanto se pode desfrutar plenamente o vocal sofrido de Dolores e a melodia sutilmente apoiada por orquestração de cordas, que versa entre a melancolia resignada e a aflição amargurada, em “Lost”.
Dissipada a perturbação, é possível distinguir melhor os acertos e erros do disco – e estes, felizmente, são poucos. É o caso de “A Place I Know”, que figura entre os equívocos por desperdiçar os toques reluzentes no violão que introduzem a canção com um refrão tedioso e sem brilho, e de “Crazy Heart”, faixa promissora que acabou escondida por trás da melodia e vocal apagados – dentre todas as faixas, é a única que deixa realmente nítido que os vocais são fruto de uma sessão de demos e que, provavelmente, este jamais teria sido selecionado como a versão final para a canção.
Mas foi justamente ao se utilizarem de material vocal que não foi originalmente concebido como o definitivo para as canções que Noel, Mike, Fergal, e o produtor Stephen Street conseguiram demonstrar toda a qualidade musical da banda irlandesa, em um excepcional exemplo de competência, devoção e amor pela música. O resultado deste esforço notável são as faixas “Wake Me When It’s over”, que traz vocal e violão em afinada sintonia e refrão denso, recheado com a sonoridade da guitarra e da bateria, “Catch Me If You Can”, com uma intro encantadora que apresenta um piano fugaz e distante, logo solapada por uma melodia envolvente com vocal, orquestração de cordas e bateria carregadas de emoção, e “Summer Song”, que cativa já nos primeiros instantes pela luminosa harmonia entre o vocal de Dolores e a instrumentação posteriormente concebida pelos seus amigos e companheiros de banda.
Inevitavelmente, a agridoce e melancólica faixa-título foi escolhida para fechar o disco e, consequentemente, a carreira da banda irlandesa: “take my house, take the car, take the clothes, but you can’t take the spirit”, canta Dolores com vocal delicado e gracioso sobre violão, baixo e bateria serenos. Os versos talvez soem um pouco piegas, mas a verdade é que, embora o The Cranberries chegue ao seu fim, o “espírito” desta banda – sua sonoridade única e inimitável – jamais vai perecer.

Baixe: https://www.mediafire.com/file/4a59qjgdo35vyzb/cranberries-final.zip

Ouça:

Deixe um comentário

The Cranberries – show em Florianópolis.

Dolores O'Riordan - The Cranberries - show em Florianópolis

O fato mais surpreendente deste show da banda The Cranberries na capital catarinense foi a sua extrema pontualidade e precisão: a apresentação começou exatamente no horário marcado e encerrou-se dentro do tempo previsto para a sua duração. Muito disso deve-se ao fato de que, por uma benção divina e de forma inédita, não tivemos show de abertura – perguntem se eu senti falta? O espaço para o show eu já conhecia, é o mesmo que foi utilizado para a apresentação da banda britânica Placebo em 2005, sendo a única diferença o fato de que agora no local é utilizado um palco mais adequado para as bandas, e não o minúsculo ao fundo do lugar, utilizado no festival É Claro que é Rock, naquele ano. Apesar do comparecimento de pessoas ser maior do que o que eu previa, a apreciação do show foi confortável na maior parte do tempo – provavelmente a mais tranquila que já experimentei, excetuando-se o show dos ingleses do Muse em 2009, visto que fiz questão de pagar por um local mais confortável na casa onde ele ocorreu.
Mas vamos entrar no mérito do show em si, na apresentação da banda irlandesa. Como já aconteceu em alguns dos shows que pude assistir, tenho a impressão de que em boa parte da metade inicial da apresentação o som que vinha do palco não estava adequadamente ajustado, e ao invés de poder apreciar a voz doce de Dolores O’Riordan, os riffs, acordes e batidas do instrumental da banda de modo claro e nítido, o que se podia ouvir era uma massa sonora que só permitia a diferenciação de harmonias dentro da melodia e o vocal da cantora com algum esforço de atenção – isso é um problema que me irrita bastante, e sempre me pergunto se é realmente descaso ou falta de dinheiro na produção do evento para utilizar uma sonorização mais adequada. Por sorte – ou azar, já que em boa parte da duração do evento se perdeu a apreciação ideal das músicas -, a certa altura o problema foi sendo solucionado e o som foi surgindo bem mais apresentável. Voltando a atenção à banda propriamente, há duas coisas que devem ser comentadas: a primeira é que apesar da dose satisfatória de simpatia dos músicos – em particular de Dolores, claro -, a vocalista não tem uma performance de palco tão impressionante quanto eu esperava: a moça se movimentava consideravelmente no palco, mas o gestual e o “requebro” da irlandesa bem poderia ser aprimorado; a segunda é sobre o repertório escolhido para integrar o setlist do show, que parece variar muito pouco de uma apresentação para outra: algumas canções simplesmente não funcionam ao vivo, perdendo grande parte de seu impacto, de sua beleza e de sua atmosfera idiossincrática, é que é particularmente o caso das canções dos dois primeiros discos da banda, e as que eu mais adoro. Isso ficou bem claro, por exemplo, na execução de “How” e “Still Can’t” e “Ridiculous Thoughts”, músicas que tem efeito maravilhoso nos seus respectivos discos, mas perderam grande parte de seu charme na apresentação ao vivo. Algumas, porém, exibem tanto potencial quando nas suas versões originais de estúdio, como as antêmicas “Salvation” e “Zombie”, a delicada “Empty”, a irresistível “I Can’t Be With You” e as clássicas “Linger” e “Dreams”, todas, sem exceção, emocionando a maior parte do público presente ao evento. Ao fim, a experiência valeu muito à pena, tanto pelo preço consideravelmente justo pago pelo ingresso quanto pela oportunidade de conferir uma banda que marcou o rock dos anos 90 sem ter que desabar centenas de quilômetros em uma viagem que dificilmente é completamente tranquila para mim -as reclamações são, como de praxe, pelo meu conhecido caráter excessivamente exigente (pra não dizer chato).

2 Comentários

The Cranberries em Florianópolis: é hoje!

The Cranberries

O grupo irlandês The Cranberries vai se juntar esta noite ao pequeno círculo de artistas e bandas que decidiram, sabe-se lá porque razão, se apresentar nesta ilha à direita do continente, aqui no sul do Brasil. Digo sabe-se lá porque razão pois há até mesmo artistas brasileiros que nunca vieram se apresentar em Florianópolis, capital pouco comum devido à quase não-metropolitanidade e seu jeito ainda um pouco provinciano. Pra não variar, a apresentação vai ocorrer mais uma vez em um canto bem afastado do centro da cidade, pelo que pude entender, o mesmo local no qual se apresentaram os britânicos do Placebo no ano de 2005, lá na puta que pariu do acesso às praias e balneários mais frequentados do norte da ilha – o único que me recordo (e que vale a pena ser recordado, obviamente, já que estou citando atrações que interessam) ter fugido à tradição foi Damien Rice, que se apresentou bem no centro da cidade em 2009.
Mas voltando à atração da noite, eu tenho um problema com o Cranberries que tem chances de tornar a experiência menos animadora do que todas as anteriores – eu acho brilhantes os dois primeiros discos, acho o terceiro bom, mas só gosto de poucas, bem poucas canções dos dois discos subsequentes, que não me arrebataram. Essa minha preferência se deve ao fato do que em Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We? e No Need To Argue a banda surgiu com um estilo musical muito próprio, uma sonoridade incomum, etérea e melancólica que me fascina até hoje – pra quem não sabe como a banda soava então, basta ouvir a primeira faixa do primeiro disco, “Still Do”, que vai ter idéia prontamente -, mas que foi sendo abandonada em detrimento de um rock mais próximo do tradicional a partir do terceiro disco, mudança esta que avançou ainda mais nos dois últimos álbuns. Claro, mudanças são sempre inevitáveis e necessárias, mas o fato é que aquele rock de identidade tão forte dos dois primeiros discos é o que, até hoje, eu consigo reconhecer pelo nome The Cranberries – o que veio posteriormente me parece tão somente uma diluição dos primeiros discos e de parte do terceiro. Porém, como é provável que eles toquem muitas das canções dos primeiros anos de carreira, a frustração não vai chegar à um nível que estrague a experiência de desfrutar destes músicos que, inquestionavelmente, fazem parte da história do rock na década de 90 – da minha, ao menos, fizeram!

3 Comentários

The Cranberries – Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We? [download: mp3]

The Cranberries - Everybody Else Is Doing It, So Why Can't We?O vocal de Dolores O’Riordan é a marca distintiva mais forte da banda irlandesa The Cranberries. Apesar das comparações feitas à época com a também irlandesa Sinéad O’Connor, a banda logo superou as críticas que apontavam similaridades entre seus trabalhos, e mostrou que sua música era muito distinta não apenas da grande cantora e compositora irlandesa, mas de todo o cenário musical da época. E isto não é nada difícil de perceber: com uma acústica exótica muito difícil de definir, onde até as guitarras soam como algo excepcionalmente estranho, as músicas de letras simples e sensibilidade acachapante que compõe o disco de estréia do Cranberries surpreenderam até ouvidos dos mais experientes.
“I Still Do” abre o disco marcando o terreno da banda: múltiplas camadas de vocais e backing vocals construindo uma reverberação distante, trabalhando em conjunto com guitarras e baixos de acordes dramaticamente esparsos e um piano profundamente minimalista. A letra, composta de uns poucos versos, fala da dor afetiva com a naturalidade de quem sofre por amor. “Dreams”, que continua investindo na temática lírica central do disco – as lamentações amorosas -, transformou-se em um sucesso estrondoso. Para entender o sucesso que o single fez, basta ouvi-lo: a música é uma balada pop que atinge o ouvinte como poucas, onde todos os instrumentos foram trabalhados de forma absolutamente integrada para construir uma melodia que desse apoio total ao vocal devassadamente em emotivo de Dolores. A música tem uma força tão impressionante que tornou-se um dos marcos maiores da identidade da década de 90 – não há como não mergulhar-se em lembranças da época ao ouvir “Dreams”. Em “Sunday” temos uma ligeira variação na melodia, deixando de ser preponderantemente melancólica para travestir-se de uma exaltação sutil e elegante – tudo por conta dos acordes marcantes do baixo e da beleza reluzente das cordas que compõem, particularmente, a abertura de tom contemplativo e o fechamento suavemente irascível da melodia. A letra de “Sunday” reflete os questionamentos de alguém que se sente rejeitado e retrata o comportamento inseguro e confuso de quem se vê em tal situação. A próxima faixa, “Pretty”, mostra como mesmo utilizando poucos recursos a banda consegue manter a sua sonoridade inovadora: a música esbanja simplicidade em seus poucos versos repetidos, que são um misto de ode e conclamação amorosa, e na sua melodia repleta de languidez, com sua base concebida no teclado idiossincrático, bateria e guitarras. “Waltzing Back” expressa em seus versos econômicos o temor de ter alguém retirado de nossa convivência. No entanto, a melodia não emoldura estas letras em uma sonoridade triste, mas o faz em tonalidades de urgência dramática e súplica furiosa, utilizando-se um teclado de acordes acúsiticos e os intrumentos básicos da banda, guitarra, bateria e baixo. Em “Not Sorry” os vocais de Dolores soam especialmente belos, trafegando entre o tom sussurrante e o brado mais lamuriante. As letras, em tom de confissão, falam sobre alguém que sofre, mas que ainda preserva seu orgulho. A melodia faz uso espetacular dos teclados, especialmente no refrão hiper-dramático, compndo sons reverberantes e distantes que se encaixam na expressão sofrida, mas altiva da vocalista. “Linger”, cujas letras tratam de alguém que declara àquele que ama que sente estar sendo enganado, é mais uma balada esplêndida, com guitarras e violões que constroem uma melodia pop muito bem estudada, de tonalidades nostálgicas absolutamente certeiras. As canções “Still Can’t” e “How” tem melodia semelhante, em ambas os instrumentos formam uma música forte, tempestuosa e urgente. As letras das duas canções também expressam sentimentos contíguos de estupefação e cólera em uma relação amorosa cuja dedicação nunca é recíproca. “I Will Always” e “Put me Down” também guardam semelhanças e complementam-se: enquanto uma fala de um amor que se encontra em seu limite, a beira do seu fim, a outra trata da decisão de abandonar uma relação que não traz mais o contentamento. A melodia de ambas é tranqüila e doce: com presença marcante de violões e teclados, e tonalidades contemplativas de bateria, baixo e guitarras, a música ganha cores mais dramáticas nos refrões, onde Dolores sempre demonstra toda a potencialidade e sensibilidade de seu vocal, especialmente nos vocais de fundo de “Put me Down” que tem algo de celestial e elevante.
O primeiro disco do The Cranberries foi o trabalho mais marcante da banda até hoje. O álbum seguinte consegue captar muito ainda da inovação sonora deste primeiro, mas a semântica composta de mágoa e ira afetiva das letas e as melodias reverberantemente tristes, repletas de nostalgia acústica e de cólera e orgulho afetivo atingiram a perfeição em Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We. Com o advento do terceiro disco, apesar de ser um bom trabalho, a banda já preferu abandonar a identidade que fazia dela um marco diferencial no mundo da música pop-rock. Resta, para aqueles que preferiam o som mais exótico inicial, apreciar os dois primeiros discos para saciar a vontade de escutar algo que foi tão inovador que jamais se repetiu novamente.
Sendo assim, baixe já o disco utilizando o link e senha abaixo.

senha: seteventos

ifile.it/l2059fr/thecranberries_-_everybody.zip

2 Comentários