Pular para o conteúdo

Damien Rice em Florianópolis – É hoje.

Damien Rice no BrasilDepois de muito vai-não-vai, diz-que-disse, o show de Damien Rice foi confirmado em Florianópolis para a noite de hoje. Algumas coisas relativas à estão apresentação, no entanto, estão interferindo na minha efetiva animação para a apresentação do cantor e compositor irlândes por aqui. Primeiro, poucas vezes vi algo tão pouco divulgado quanto este show por aqui. Nem sinal de outdoor, chamada na TV, matéria em jornal ou mesmo um artigo decente em algum site ou portal local. Segundo, as informações sobre a natureza do show também são desencontradas: alguns afirmar ser um show beneficente, mas a produtora do evento em momento algum se referiu à ele como tal. E por último, o elemento mais bizarro de todos: o local escolhido para a apresentação de Damien, o Centrosul, um centro de convenções. Em sua passagem pela capital de Santa Catarina, Damien Rice não se apresentará em um teatro ou mesmo casa de shows, mas sim um local planejado para abrigar simpósios, fóruns, mostras e derivados – até feira de artesanato já vi ter esse lugar abrigado…isso pra não falar naquelas convenções médicas super divertidas. Parece óbvio pra qualquer pessoa até com meio cérebro – como diria o pai de Lindsey Lohan – que um centro de eventos e convenções não é o lugar mais adequado para servir como palco de um show musical, ainda mais de um artista tão intimista como o irlandês. A experiência passada de shows efetuados no pavilhão central do local, bem como o evento mais comumente realizado no seu pavimento superior, usado para formaturas, deixam claras sua inaptidão acústica e a sua falta de adequação para a expectação adequada de um evento musical, servindo como comprovação daquilo que alguém já pode ter idéia apenas olhando para o lugar, mas os fãs do cantor em uma de suas maiores comunidades do Orkut não parecem nem um pouco incomodados, sentindo-se enormemente felizes com a localização bem cômoda do Centrosul. Entendo, claro, a sempre enorme felicidade em receber um dos seus artistas favoritos, mas isso não é motivo para que eu aja como um fanboy idiota que não percebe, ou pior, ignora os possíveis problemas da organização e da realização de qualquer evento pura e simplesmente porque é um show de alguém que eu tanto goste. Mas tudo bem: eu admito que estou pedindo demais de gente que, só pra dar um exemplo, afirma que não poder beber e fumar à vontade em um show de música tem bem menos graça do que aproveitá-lo sem essas distrações e vícios. De fato, pedir sensatez de pessoas com preocupações relacionadas a elementos que não tem qualquer efeito sobre a qualidade da apresentação do artista é inútil.
Claro, espero sinceramente que eu esteja ao menos parcialmente errado. Porém, mesmo que problemas que prejudiquem um pouco o aproveitamento do show se apresentem, será pra lá de prazeroso encerrar minhas férias desfrutando ao menos um pouco da quase intangível beleza das composições de Damien Rice – não sou exatamente um fã inveterado do artista, mas é muito mais por o ter conhecido quando já estava cultivando o hábito de inflar sobremaneira meu repertório de artistas do que por não apreciar inteiramente seu trabalho. Mesmo que não esteja lá no topo das minhas prefências musicais, as canções de arranjos delicados e o cantar repleto de emoção do irlandês não tem como não atingir qualquer um que tenha um mínimo de sensibilidade artística. Agora, é aguardar algumas horas pra aproveitar as músicas do moço que até hoje guarda um jeito de cantor de rua.

P.S: Alanis Morissette também vais dar as caras por aqui no próximo fim de semana, mas essa já é uma opção quase totalmente descartada pra mim. A casa noturna escolhida para o show da canadense (uma tal de Pachá, que um dia já foi X Music Hall e mais tarde El Divino-qualquer-bosta) é totalmente fora de mão pra qualquer um que não seja o feliz dono de um automóvel e o preço do show, mesmo na pista, é um pouquinho salgado. Porém, é mesmo o fato de que nunca fui um ávido apreciador de sua obra que realmente conta para que eu não tenha assim tanta vontade de conferí-la ao vivo. De Alanis eu só gostei mesmo dos três primeiros álbuns e, de forma geral, eu de fato apenas gostei, não adorei – não é algo que tenha me arrebatado, pelo menos até hoje. Talvez a coisa mais chata em não estar presente neste show seja mesmo perder a oportunidade de jogar no palco um pôster de Ryan Reynolds com os dizeres “JUST TO REMEMBER WHAT YOU’VE LOST, HONEY!”. Mas, como o último disco de Alanis é, pra variar, inspirado em suas experiências afetivas, provavelmente isso seria desnecessário – porque, sinceramente, “Flavors of Entanglement” só não recebeu o nome de “Flavors of Ryan Reynolds” pra isso não ficar totalmente na cara.

Um comentário

  1. Zé

    Eu pensei que só eu não sabia do show dele. Pelo que li, o show dele aqui foi legal, apesar de só ter ele no palco (esqueça a Lisa e a Vyvienne). Mas que lugar inadequado pra fazer um show, hein? Centro de convenções?

    Sobre a Alanis, queria muito ter ido pra Manaus ver o show dela lá, no meio do mato, rodeado pelo rio Amazonas e por todos os tipos de insetos. Fiquei sabendo que ela visitou uma tribo indígena e, de quebra, cantou junto com eles. Que lindo – quase chorei de emoção.

Comente!